29 de mar de 2012

Sessão Animal - Aranhas


Como vocês já devem ter percebido eu me fascino por animais perigosos... então hoje falaremos sobre aranhas!

As aranhas são animais artrópodes pertencentes à ordem Araneae da classe dos aracnídeos, que está dividida em três subordens: a Mygalomorphae (aranhas primitivas), a Araneomorphae (aranhas modernas) e a Mesothelae, a qual contém apenas a família Liphistiidae, constituída de aranhas asiáticas raramente avistadas.
Existem cerca de 40 000 espécies de aranhas[1], o que a torna a segunda maior ordem dos Aracnídeos, atrás da ordem Acari (ácaros). Essas 40 000 espécies são divididas em mais de 100 famílias, sendo que cerca de 30 delas são consideradas perigosas para o homem.
A maior aranha do mundo é a Theraphosa blondi, que chega a medir até 20 centímetros de uma pata a outra e a menor é a Patu digua que tem o tamanho da cabeça de um alfinete.

Corpo
Anatomia de uma aranha:
(1) Quatro pares de
pernas
(2) cefalotórax ou prossoma
(3) opistossoma ou abdómen
 
As aranhas pertencem ao filo artrópode e ao subfilo chelicerata.[2] Sendo artrópodes têm corpos segmentados com membros articulados, cobertos com uma cutícula de quitina e proteínas e cabeças compostas por vários elementos que se fundem durante a fase embrionária.[3]. Os seus corpos consistem em dois tagmata, conjunto de segmentos com as mesmas funções: um deles, chamado cefalotórax ou prossoma (nos insetos este segmento encontra-se separado em mais dois tagmata - cabeça e tórax), o outro chama-se opistossoma ou abdómen.
Nas aranhas, o cefalotórax e o abdómen estão ligados por uma pequena secção cilíndrica, o pedicelo. O padrão de fusão dos segmentos para formar cabeças cheliceratas é único entre os artrópodes e o que, normalmente, seria o primeiro segmento da cabeça desaparece numa fase inicial do desenvolvimento, por isso a falta de antenas cheliceratas é típica de muitos artrópodes. De facto apenas os apêndices à frente da boca dos cheliceratas são um par quelíceras e falta-lhes qualquer coisa que possa funcionar diretamente como maxilas.[3][4] Os primeiros apêndices ao lado da boca são chamados pedipalpos e têm diferentes funções dentro do grupo chelicerata.[2]

Phidippus audax, aranha-saltadora: As duas partes da boca a verde são as partes das quelíceras.
 
As aranhas e os escorpiões são membros de um grupo chelicerata, os aracnídeos.[4] Quelíceras dos escorpiões tem três seções e são utilizados na alimentação.[5] As quelíceras das aranhas têm duas secções e terminam em presas, que normalmente são venenosas e dobráveis para trás da parte superior quando não estão em uso.
As secções superiores costumam ter "barbas" que filtram os pedaços sólidos do seu alimento, as aranhas apenas podem alimentar-se de comida líquida.[6] Os pedipalpos dos escorpiões, normalmente, formam grandes garras para capturar as presas[5], enquanto os das aranhas são apêndices bastante pequenos cujas bases atuam como uma extensão da boca. As aranhas do sexo masculino têm as últimas secções maiores que as das fêmeas para a transferência de esperma.[6]

Teia de aranha.
 

Nas aranhas o cefalotórax e o abdómen estão unidos por um pequeno pedicelo cilíndrico que permite que o abdómen se mova livremente enquanto produz seda, para a construção de teias, que são cinco vezes mais fortes do que o aço no mesmo diâmetro. Além disso, a teia pode ainda se esticar quatro vezes mais que seu comprimento inicial e podem resistir à água e a temperaturas até -45 °C sem se romperem.
A zona superior do cefalotórax é coberta por uma única carapaça convexa, enquanto a parte inferior é coberta por duas placas planas. O abdómen é mole e oval. Este não mostra qualquer sinal de fragmentação exceto na subordem Mesothelae, cuja única família viva, Liphistiidae, que têm placas segmentadas na superfície superior.[6]

Aracnofobia é uma fobia específica de aranhas ou qualquer coisa ligada a estes seres vivos como teias de aranha ou até formas parecidas com aranhas. É uma das fobias mais comuns[8][9] e 50% das mulheres e 10% dos homens mostram sinais desta fobia.[10] Estes sintomas parecem ser uma forma exagerada de resposta instintiva que ajudam os primeiros seres humanos a sobreviver[11] ou um fenómeno cultural, predominante das sociedades europeias.[12]


By: Rafaela

Nenhum comentário:

Postar um comentário